É melhor fazer curso técnico ou faculdade de Enfermagem?

Tornar-se um enfermeiro é o sonho de muitas pessoas. E não é para menos: essa é, além de uma carreira muito bonita, uma área que pode trazer várias oportunidades profissionais devido à sua abrangência. Mas, afinal, o que é melhor: fazer curso técnico ou faculdade de Enfermagem?

Essa é uma dúvida bem comum entre as pessoas que ainda não conhecem as diferenças entre esses dois caminhos. Cada um deles leva a uma profissão diferente que, embora pertençam à mesma área e tenham semelhanças entre si, são completamente distintas quanto às funções e às atribuições esperadas dos profissionais.

Quais são essas diferenças? O que cada curso proporciona ao profissional em termos de carreira? A seguir, tiraremos as dúvidas sobre essa questão de uma vez por todas. Boa leitura!

Como funciona a área da Enfermagem?

Quando vamos a hospitais ou clínicas, é muito comum acreditarmos que todos os que portam jaleco branco e não são médicos são, automaticamente, enfermeiros. No entanto, essa percepção é bastante limitada, já que a área da Enfermagem é muito ampla. Atualmente, ela divide seus profissionais em:

  • enfermeiros;
  • técnicos de enfermagem;
  • auxiliares de enfermagem.

Todas essas variações são devidamente regulamentadas pela Lei Nº 7.498. Esse é um documento que pode ser acessado por qualquer pessoa e no qual constam todas as atribuições e limitações de cada uma das carreiras. Vale a pena conferir!

Quais são as diferenças entre o técnico de enfermagem e o enfermeiro?

Agora, veremos alguns dos pontos que diferem o profissional graduado em Enfermagem do que fez o curso técnico na área. Confira.

Atuação

A atuação do técnico em enfermagem consiste na aplicação de técnicas para a manutenção da saúde e do bem-estar do paciente. Ele é responsável pela realização de procedimentos mais simples, porém fundamentais para a qualidade do atendimento prestado.

Já a rotina do enfermeiro tem uma dinâmica bem mais abrangente. Ele pode, além de lidar com o dia a dia clínico de seus pacientes, gerenciar as equipes de enfermagem. Outras possibilidades para essa carreira incluem a área científica, jurídica e até mesmo a acadêmica, na qual o profissional pode lecionar em faculdades.

Formação

O primeiro tipo de profissional forma-se em um curso técnico, de duração média de 18 a 24 meses, e que cobrirá alguns dos principais elementos da área da Saúde. Esse curso, no entanto, não capacita o estudante para a realização de uma série de procedimentos da área.

A formação do enfermeiro, no entanto, vai muito além. Aqui na Pitágoras, ao longo dos cerca de 5 anos, além de estudar disciplinas como anatomia, fisiologia e outros pontos importantes da saúde humana, o estudante também entrará em contato com aspectos práticos e teóricos referentes à gestão e a outros assuntos que não são vistos em cursos de menor duração.

Salário

Agora, falaremos especificamente sobre o salário dessas duas carreiras. O ingresso do profissional técnico em enfermagem no mercado é muito mais rápido, graças à duração menor do curso. No entanto, a remuneração do técnico é proporcional a essa redução no tempo para a obtenção do diploma: gira em torno dos R$ 1.500,00.

Já o enfermeiro recém-formado recebe em torno de R$ 3.400,00 por mês. Esse valor, é claro, pode mudar bastante com a realização de pós-graduações, o ganho de experiência na área e a atuação em campos diferentes, como a área acadêmica ou forense, chegando até cerca de R$ 7.300,00.

Capacitação

A diversidade de abordagens na educação de um enfermeiro é muito maior do que a observada quando falamos sobre técnicos de enfermagem. Além da graduação ter uma duração muito maior, a carga horária das matérias e a sua profundidade é bem mais elevada quando falamos de uma faculdade.

Sendo assim, fica fácil perceber que o enfermeiro é o profissional mais capacitado para lidar com as mais diversas situações dentro do ambiente de trabalho. Isso está relacionado não só com a questão da grade curricular mais extensa e aprofundada, mas também com as próprias limitações do conselho para cada uma das funções.

Tomada de decisões

Devido à maior capacitação, os enfermeiros são os profissionais que estão aptos a tomarem as decisões nesse contexto. Assim, não há a necessidade de ser o chefe do setor para ter autonomia e delegar tarefas aos demais membros da equipe de enfermagem.

Dessa forma, podemos afirmar que o enfermeiro é o profissional que toma decisões dentro dessa área. Por gerenciar a equipe, ele delega as atribuições para cada um dos colaboradores e tem, é claro, uma autonomia muito maior para atuar no tratamento dos pacientes.

Gestão da equipe

Como já mencionamos várias vezes ao longo de nossa conversa, o enfermeiro é o profissional responsável pela gestão da equipe de enfermagem. Sendo assim, é ele quem delega as tarefas e supervisiona o trabalho feito pelos colegas.

Essa gestão é um atrativo muito interessante para a profissional, pois possibilita o fortalecimento de habilidades que não são, muitas vezes, trabalhadas em outros campos da Enfermagem. Sendo assim, a qualificação desse indivíduo será muito mais ampla e atrativa para o mercado.

Possibilidade de crescimento

Isso no traz ao último tópico de diferenças entre o técnico e o profissional graduado em Enfermagem: a possibilidade de crescimento dentro da carreira. Ao longo do bate-papo, foram mencionadas algumas das alternativas existentes para os profissionais graduados na área, certo? Esse é um dos grandes diferenciais.

Os técnicos de enfermagem podem atuar, basicamente, sempre em uma mesma linha de trabalho. Já os que optam pela graduação em Enfermagem têm muito mais portas abertas no mercado, podendo mudar de ares na carreira e, quem sabe, obter remunerações muito mais atraentes ao longo da vida profissional.

É mais vantajoso fazer técnico ou faculdade de Enfermagem?

A resposta para essa pergunta é: depende. As duas áreas são extremamente relevantes, e cada uma delas tem o seu valor, tanto no mercado quanto no dia a dia de um estabelecimento da área da Saúde. O conceito de “melhor ou pior” é algo que dependerá muito das expectativas de cada pessoa.

No entanto, é inegável que o profissional graduado em Enfermagem tem uma formação muito mais ampla, melhores remunerações e grandes possibilidades de crescimento nesse segmento. Além disso, a mudança de área é muito mais simples quando alguém tem um curso de ensino superior em seu currículo.

Agora que já sabemos o que é melhor, se é fazer um curso técnico ou faculdade de Enfermagem, não perca mais tempo. Comece a preparar-se quanto antes para começar a sua graduação nessa área tão especial e cheia de oportunidades de carreira. Aguardamos você por aqui na Pitágoras em nossa próxima turma!

Para tirar dúvidas sobre o curso de Enfermagem ou sobre o processo seletivo da Pitágoras, não deixe de mandar uma mensagem. Entrar em contato com a nossa equipe é o melhor método para não ficar com perguntas não respondidas em sua cabeça e preparar-se melhor para o que está por vir. Até a próxima!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.3 / 5. Número de votos: 66

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Dê mais um passo na direção da carreira dos seus sonhos !

Assine nossa Newsletter e receba nossos artigos em primeira mão!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content